Desafios dos sistemas de informação na missão museológica – Congresso BAD

Desafios dos sistemas de informação na missão museológica – Congresso BAD

Sobre o Grupo de Trabalho de Sistemas de Informação em Museus e o importante trabalho que temos pela frente fica aqui registado o artigo que foi publicado nas actas do 11º Congresso Nacional da BAD.

Resumo

O painel Os desafios dos sistemas de informação na missão museológica, a partir de um conjunto de reflexões dos membros do Grupo de Trabalho, procura contribuir para a discussão dos sistemas de informação na missão dos museus.Objetivos do painel: Apresentar os Sistemas de Informação em Museus como pilares fundamentais do trabalho museológico e da gestão dos acervos patrimoniais;
Colocar em destaque o seu papel insubstituível no tratamento e difusão de informação sobre os acervos museológicos e na produção de conhecimento;

Refletir sobre as metodologias de trabalho, de modo a garantir que contribuem de modo relevante para o cumprimento da missão do Museu. O Grupo de Trabalho Sistemas de Informação em Museus procura pensar o Museu como um centro de produção de conhecimento ao assumir o objeto de museu como documento e o acervo da instituição museológica, existente nas Reservas, Arquivo, Biblioteca ou Centro de Documentação como um todo unitário nas suas inter-relações informacionais. A visão integradora do acervo do Museu implica um maior enfoque nas potencialidades informativas do acervo, contribuindo assim para uma mais eficiente gestão de toda a informação sobre património produzida em contexto museológico. No âmbito deste Grupo de Trabalho, utiliza-se o conceito operatório de sistema de informação em museus (SIM) enquanto conjunto ordenado de elementos inter-relacionados que reúne, armazena, processa e faculta informação considerada relevante para a missão e funcionamento da entidade museológica. Este sistema é centrado na coleção e na prática museológica. Entende-se aqui a coleção como um conceito abrangente que compreende todos os acervos museológicos, independentemente da sua natureza ou suporte, incluindo espécimes bibliográficos e arquivísticos existentes no museu ou que com ele possam ser inter-relacionados. Ao procurar a interoperabilidade com sistemas análogos, o SIM obedece às normas nacionais e internacionais no âmbito da museologia, arquivística e biblioteconomia, nas suas três vertentes essenciais: estrutura de dados, terminologia e procedimentos.Objetivos estratégicos: • Constituir-se como uma plataforma de reflexão e dinamização do diálogo e articulação entre todos os profissionais da informação no universo dos acervos museológicos; • Promover o levantamento nacional dos recursos existentes nas áreas da gestão da informação dos acervos museológicos, de modo a desenhar um quadro global desta realidade; • Desenvolver encontros, seminários e outras iniciativas de valorização profissional; • Apresentar-se como parceiro ativo na sociedade civil no que diz respeito à gestão da informação dos acervos museológicos e à sua importância estratégica na área do património cultural.

Palavras-chave: Sistemas de Informação em Museus; Acervos museológicos; Gestão de informação.

O texto completo está disponível aqui.

Grupo de Trabalho Sistemas de Informação em Museus – BAD

Grupo de Trabalho Sistemas de Informação em Museus – BAD

Ontem foi dia de apresentação do GT-SIM no congresso da BAD. Confesso que estava à espera de menos audiência porque a concorrência de outros painéis, muito interessantes como poderão ver no programa, era forte e o tema em discussão, os sistemas de informação em museus, não tem estado no centro da atenção da BAD até muito recentemente.

Eu, a Luísa Alvim, a Teresa Campos, a Leonor Antunes e o Diogo Gaspar fizemos diferentes comunicações sobre o tema (das quais um ponto comum que quero aqui salientar se prende com a integração dos sistemas – Arquivos, Bibliotecas e Museus) e o debate foi também participado, embora se tivesse centrado muito (demasiado na minha opinião) na questão da digitalização e nas diferentes perspectivas que cada um de nós tem sobre este conceito. Ficaram por discutir importantes assuntos, como a importância dos arquivos enquanto colecções de museus, levantado pelo Diogo Gaspar, a normalização, o investimento e avaliação neste sector, a participação através das ferramentas tecnológicas de todos no processo de documentação, etc. No entanto, foi a primeira vez que se organizou este painel na BAD (segundo sei… espero não estar a cometer nenhuma injustiça) e não nos faltarão, estou certo, oportunidades de debater estas e outras questões.

Aproveito para vos deixar com uma foto que me tiraram (não conheço o(a) autor(a) que é paradigmática do meu discurso (chato eu sei) desde há alguns anos até agora. Vejam lá se fiquei bem com a normalização ali ao lado!

Congresso BAD - GT-SIM

PS: a foto é uma partilha da Conceição Serôdio no FB. Obrigado Conceição pela organização e pela foto.

Grupo de Trabalho BAD – Sistemas de Informação em Museus

Grupo de Trabalho BAD – Sistemas de Informação em Museus

Num sentido amplo, os serviços de documentação e inventário dos museus difundem informação e viabilizam o conhecimento dos bens culturais, a sua interpretação e apropriação por parte dos públicos. Desempenham um papel de interface específico e relevante com a comunidade, desde os estudantes e os docentes até aos especialistas e investigadores, passando pelos curiosos e amantes do conhecimento. A relevância que os sistemas de informação assumem no Museu, enquanto função museológica fundamental, espelha-se na interação com a investigação, a conservação, as exposições e a educação patrimonial, uma vez que integram o próprio conceito de Museu, definido na Lei-Quadro dos Museus Portugueses.

São estas as palavras com que Conceição Serôdio introduz o Grupo de Trabalho Sistemas de Informação em Museus que recentemente foi aprovado pela Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas e que pretende constituir-se como uma “plataforma de diálogo entre os profissionais de informação que trabalham nomeadamente em museus, palácios e monumentos” que pretendam assumir-se como “interlocutores das tutelas no domínio do património e desenvolver iniciativas de valorização profissional, de intercâmbio e de parcerias, promovendo a pluridisciplinaridade e a produção do conhecimento em museus” e instituições similares.

Esta iniciativa da BAD, associação com uma história consolidada e experiência única nas matérias tratadas pela ciência da Informação, será certamente aproveitada pelos profissionais de museus que todos os dias se dedicam a essa enorme (e por vezes complicada) tarefa que é a documentação e gestão das colecções guardadas nos museus. Esta parte importante do trabalho desenvolvido nos museus não é a mais visível para o público, e para as tutelas ou investidores já agora, mas dela depende em grande parte o sucesso das restantes tarefas museais. Não me parece que um museu possa conservar, expor, divulgar ou comunicar as suas colecções sem as conhecer previamente, certo? No entanto, este trabalho ocupa tempo, recursos humanos e financeiros e raras vezes tem sido (pelas mais diversas razões) visto como uma prioridade. Assim, não posso deixar de louvar esta iniciativa e de tentar contribuir com a minha experiência para ajudar o Grupo a atingir os objectivos a que se propõe.

Uma vez mais nas palavras da Conceição, no grupo que entretanto foi criado no Facebook, ficam aqui expressos os objectivos (ambiciosos, devo dizer) propostos:

  • Constituir-se como uma plataforma de dinamização do diálogo e articulação entre todos os profissionais que trabalham em museus e outros espaços patrimoniais (monumentos, palácios, sítios);
  • Promover o levantamento nacional dos recursos existentes nas áreas da informação, documentação e reservas em museus, de modo a desenhar um quadro global desta realidade, das suas potencialidades e debilidades;
  • Desenvolver iniciativas de valorização profissional, nomeadamente encontros nacionais, sectoriais e ações de formação;
  • Constituir-se como interlocutor das direções dos museus e das tutelas da área do património no que diz respeito à gestão da informação e à sua importância estratégica na vida dos espaços museológicos, da sua relação com as comunidades e com a produção e divulgação do conhecimento produzido no Museu.

Destaco, pela pertinência que tal trabalho terá, o levantamento nacional dos recursos existentes nas áreas de informação, documentação e reservas dos museus, porque é o primeiro passo (o mais acertado) para que se possam definir linhas estratégicas de actuação e criar propostas que possam contribuir para que possamos apresentar nesta área resultados mais animadores dos que se têm verificado até ao momento.

Por fim, importa também destacar que este interesse da APBAD pela área da documentação em museus permitirá também um intercâmbio acentuado de experiência e aprendizagem entre os profissionais da informação de distintas instituições (Museus, Bibliotecas e Arquivos) que em muito beneficiará o património cultural português.

Em especial à Conceição Serôdio, à Fernanda Serrano e ao Rui Ferreira da Silva aqui fica expresso o meu agradecimento por esta iniciativa.

Aproveito ainda para dizer a todos os interessados que se poderão inscrever no Grupo de Trabalho através do formulário disponível no site da APBAD e que o grupo terá a sua primeira reunião em Lisboa, dia 19 de Junho, às 18:00, na sede da BAD em Lisboa, a qual poderá ser seguida através de vídeo conferência. Para mais informações consultem o Grupo no Facebook.