Apelo à participação – Diagnóstico aos Sistemas de Informação dos Museus

Apelo à participação – Diagnóstico aos Sistemas de Informação dos Museus

Aproveito o texto dos colegas que estão a tratar da divulgação deste 1.º diagnóstico aos sistemas de informação dos museus para vos transmitir estas informações muito importantes e chamar a vossa atenção para a necessidade de contar com o apoio de todos para este trabalho.

“Como possivelmente é já do vosso conhecimento, o Grupo de Trabalho – Sistemas de Informação em Museus (GT-SIM), da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD), está a realizar um inquérito aos museus portugueses no âmbito do projeto Diagnóstico aos Sistemas de Informação dos Museus.

Este projeto tem como objetivo central o levantamento e a caracterização dos museus portugueses no que diz respeito às áreas da gestão da informação dos vários tipos de bens patrimoniais.

Os resultados do projeto possibilitarão, por um lado, conhecer a realidade portuguesa atual no que diz respeito à gestão da informação dos acervos nos museus e, por outro lado, constituirão o fundamento para orientar o trabalho futuro do GT-SIM.

No final do mês de março foi enviado por correio eletrónico um convite à participação no estudo. Se por alguma razão não o recebeu por favor contate o seguinte endereço eletrónico: diagnostico.si.museus@gmail.com.

A resposta ao questionário é feita online.

A sua participação é muito importante!

Obrigado desde já pela sua colaboração.”

Não será demais dizer que o conhecimento da realidade que temos permite enfrentar melhor os desafios que temos pela frente. Chamo portanto a vossa atenção e peço a vossa paciência para nos ajudarem neste processo que será importante para todos nós.

Notícia BAD

Uma boa notícia

Uma boa notícia

Nestas últimas semanas têm sido muitas as más notícias. Às mais correntes sobre a crise, sobre os mercados, sobre o desemprego, sobre acidentes, sobre o desleixo a que o património continua a ser sujeito, etc., acrescem uma ou duas, felizmente já ultrapassadas, mais pessoais. Nada que um bom optimista não ultrapasse.

Por isso hoje, a retomar a leitura das notícias, percebo que a Biblioteca Apostólica do Vaticano e a Biblioteca Bodleian da Universidade de Oxford, através de um considerável financiamento da Fundação Polonsky, vão digitalizar e disponibilizar 1,5 milhões de páginas de documentos antigos que vão desde manuscritos gregos, livros impressos no século XV e manuscritos hebreus, até aos primeiros livros impressos.

Um projecto impressionante e que irá permitir a consulta de documentos relacionados que estavam separados nas duas colecções à séculos, permitindo aos investigadores de todo o mundo a sua consulta. É sem dúvida um enorme passo para a democratização do conhecimento. As Bibliotecas, Arquivos e Museus têm um papel fundamental nesta matéria. O conhecimento que retêm deve ser, tanto quanto possível, público e divulgado através de todos os meios possíveis.