Inclusão, migração e museus

Inclusão, migração e museus

“Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne um monstro. E se você olhar longamente para um abismo, o abismo também olha para dentro de você”

Nietzsche, Friedrich, Além do Bem e do Mal – Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal – 31. 3ª edição. Editora Escala, 2011.

Inclusão, migração e museusLi pela primeira vez esta frase de Nietzsche, acreditem ou não, num livro da Marvel chamado “Guerra Infinita” (vai ter direito a filme no próximo ano) publicado há muitos anos atrás e recordo-a sempre que vejo alguém combater um problema, com um outro problema ou criando um problema ainda maior. É, ou melhor tem sido, o que acontece com a migração e os migrantes actualmente. Olhamos de forma indignada para a monstruosidade que causa a migração em massa, mas a inércia que temos face a este problema tem um potencial enorme para nos transformar em monstros. Não me tomem à letra. Eu sei que é uma questão complexa, mas sinceramente não deveríamos fazer mais para resolver isto?

Não se cansem que eu próprio respondo. Devíamos!

E foi isso mesmo que a Acesso Cultura fez com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. Uma publicação intitulada A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais que pretende ser uma ferramenta de apoio para que as instituições culturais (museus e não só) possam ter um papel activo no esforço para a inclusão das pessoas que se vêem obrigadas a migrar ou forçadas a procurar asilo fora e longe dos seus países. Um documento que contém entrevistas, recomendações, contactos úteis, referências bibliográficas sobre o tema, etc. que nos ajudam na procura das respostas às questões iniciais: Por onde começar? O que é preciso saber? O que fazer e como?.

À Maria Vlachou vai daqui um enorme obrigado por este excelente trabalho. Obrigado esse que estendo à Ana Carvalho, à Ana Braga e ao Hugo Sousa e a todos os envolvidos neste excelente contributo.

A publicação pode (e deve) ser descarregada aqui (em Português e Inglês).

Visualização de Informação – Blog e livro

Visualização de Informação – Blog e livro

Não sei se vocês, como eu, gostam de explorar os meandros da visualização de informação e das imensas ferramentas que estão hoje disponíveis para apresentar ou representar de forma mais apelativa dados e informação (a ver se acabamos de vez com os gráficos do excel) sobre os mais diversos assuntos. Se forem certamente ficarão interessados neste livro do Nathan Yau, autor do excelente blog FlowingData (que sigo já há algum tempo com muita atenção) e de um “bestseller” sobre o mesmo tema intitulado Visualize This, onde o autor trata este assunto recorrendo a diversos exemplos de representação de informação normalizada e não-normalizada.

Os dois livros estão disponíveis para compra na Amazon. Abaixo um vídeo sobre o Data Points: Visualization That Means Something.

[youtube=http://youtu.be/s8v7_oamjUM]

Museus Militares do Exército: Um modelo de gestão em rede

Museus Militares do Exército: Um modelo de gestão em rede

Terá lugar amanhã, pelas 18:30h, no Auditório Lagoa Henriques da Faculdade de Belas Artes de Lisboa – Largo da Academia de Belas Artes, a apresentação pelo Prof. Doutor Fernando António Baptista Pereira do livro Museus Militares do Exército: um modelo de gestão em rede, da autoria do Ten. Coronel Francisco Amado Rodrigues e da Dr.ª Mariana Jacob Teixeira, colegas e amigos, que introduz uma visão muito clara, objectiva e estratégica sobre a gestão do património museológico do exército português. O livro é editado pelas Edições Colibri e teve o apoio, entre outras entidades, da Sistemas do Futuro.

Esta publicação é fruto do trabalho de investigação do Francisco e da Mariana nas respectivas dissertações de mestrado e reúne um conjunto de dados sobre a gestão dos museus militares e, também, da gestão e documentação do seu espólio, que serão, certamente, úteis a todos os que se interessam e estudam estas duas áreas da museologia. Tendo acompanhado, no âmbito do projecto de documentação dos museus do exército, uma parte da investigação dos autores, sei que teremos a partir de amanhã mais um importante documento para auxiliar o desenvolvimento da museologia portuguesa.

Ao Francisco e à Mariana, na impossibilidade de estar presente amanhã em Lisboa, quero deixar aqui expressos os meus parabéns pela publicação do vosso trabalho que, mais do que um prémio para vocês, é um prémio para nós que a partir de agora poderemos consultar e utilizar os resultados da vossa importante investigação.

Sobre o Livro

Com a edição deste texto, pretende-se revelar e partilhar, essencialmente à comunidade museal, a estrutura organizacional legal, os recursos e os processos utilizados pelos Museus Militares do Exército Português, como um contributo para a definição de um modelo de gestão. Este, à semelhança de outros modelos, possui pontos fortes e também pontos fracos, mas pretende-se configurá-lo numa boa via para se alcançar a desejada qualidade da actividade museológica militar e em rede integrada, constituída internamente por uma entidade ordenadora e coordenadora, seis Museus Militares e cerca de meia centena de Coleções Militares Visitáveis. Através das Tecnologias de Informação e Comunicação, será possível desenvolver a rede no plano nacional e internacional.

 

Francisco Amado Rodrigues

 

A segunda parte da presente obra (…) pretende contribuir para a reflexão sobre o conceito de museu militar e as especificidades que os diferenciam das demais instituições museológicas, nomeadamente ao nível dos seus processos de criação à luz do envolvente contexto europeu e das formas de colecionar presentes nos seus acervos. A partir de seis contextos – o Museu Militar dos Açores, o Museu Militar de Bragança, o Museu Militar de Elvas, o Museu Militar de Lisboa, o Museu Militar da Madeira e o Museu Militar do Porto, é feito o diagnóstico das formas de gestão e documentação das coleções e apontadas pistas para o desenvolvimento de uma gestão do acervo conduzida de forma integrada, ética e sustentável.

 

Mariana Jacob Teixeira

Sobre os autores

Francisco Amado Rodrigues – Lourenço Marques, agosto de 1964

 

Tenente-Coronel de Cavalaria/Exército.
Mestre em Museologia e Museografia, pela Universidade de Lisboa/Faculdade de Belas Artes. Licenciado em História pela Universidade Aberta. Licenciado em Ciências Militares, pela Academia Militar. Esteve colocado na Escola Prática de Cavalaria, onde exerceu, nos vários postos, diversas funções de comando, direção e chefia. Foi Diretor da Revista da Cavalaria e Professor na Academia Militar. Atualmente desempenha as funções de Chefe de Repartição de Património da Direção de História e Cultura Militar/Exército.

 

Mariana Jacob Teixeira – Porto, março de 1982

 

Ex-militar, arqueóloga e museóloga.
Licenciada em Arqueologia. Mestre em Museologia, tendo desenvolvido trabalho de projeto sobre a natureza e gestão das coleções de museus militares. Entre 2000/2007, colaborou em projetos de investigação de sítios arqueológicos. Entre 2006/11, integrou a equipa do Museu Militar do Porto, com funções da área do estudo e comunicação das coleções, conservação preventiva e serviços educativos. Desde 2011, é coordenadora científica do projeto do Museu de Sapadores Bombeiros do Porto. Participou na produção executiva da investigação do projeto Edifícios e Vestígios. Projeto-ensaio sobre espaços pós-industriais no âmbito de Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura.

Livro – Museus e Património Imateral – Ana Carvalho

Livro – Museus e Património Imateral – Ana Carvalho

No próximo dia 9 será lançado na Universidade de Évora o livro sobre património imaterial e museus da autoria da Ana Carvalho do blog No Mundo dos Museus. Esta sessão realiza-se entre as 18h00 e as 19h00 na sala 131 do Colégio do Espírito Santo. A entrada é livre.

Nas palavras da autora esta publicação:

…é o resultado de uma tese de mestrado apresentada em 2009 na Universidade de Évora no âmbito do Mestrado em Museologia. Trata-se de uma reflexão em torno do enquadramento normativo da UNESCO, em particular a Convenção para a Salvaguarda do património Cultural Imaterial (2003) e o papel dos museus nesta área. Os museus são um dos agentes intervenientes na definição de estratégias de salvaguarda do Património Cultural Imaterial e é a partir desta premissa que procuramos enquadrar as responsabilidades dos museus neste campo. Sublinham-se as problemáticas e os desafios implicados numa abordagem ao património, cada vez mais alargada, e que reclama, por sua vez, intervenções mais integradas, seja do ponto de vista dos parceiros envolvidos seja do ponto de vista da diversidade dos campos disciplinares envolvidos.

À Ana não podia deixar de endereçar os meus mais sinceros parabéns pelo trabalho desenvolvido e pela publicação do livro.

Fica a referência para os possíveis interessados.

Carvalho, Ana, 2012. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS. ISBN 978-989-689-169-5.

Museu de Aveiro publica livro infantil sobre a Princesa Joana

Museu de Aveiro publica livro infantil sobre a Princesa Joana

É sempre um prazer ter boas notícias de uma casa que me é muito querida e onde aprendi muito do que sei sobre museus com colegas e amigos do melhor que há. A boa notícia é uma história infantil sobre a Princesa Santa Joana, padroeira de Aveiro. Aqui fica o que recebi do museu:

 

 

 

“Joana a Princesa que não queria ser Princesa!”, é uma história romanceada baseada em factos históricos, que conta a vida da Princesa desde a infância à sua vinda para o convento de Jesus, actual Museu de Aveiro.

 

Com texto de Claudia Stattmiller e ilustração de Sónia Machado esta obra é uma edição do Instituto dos Museus e da Conservação e estará disponível na loja do Museu e no circuito de livrarias.

A partir de dia 18 estará disponível no mercado.

Aproveito para desejar às autoras e ao Museu de Aveiro o maior sucesso para esta iniciativa.

Our choice

Our choice

De tempos a tempos sou surpreendido de forma muito agradável por novas ferramentas, tecnologias, formas de interagir com o público e formas diferentes de utilização de todo o hardware que hoje temos à nossa disposição.

Our choice é uma dessas ocasiões. É um livro do mais famoso defensor de uma mudança global em relação à maneira como afectamos o clima em todo o mundo, Al Gore, que foi, ao mesmo tempo, segundo sei, transformado numa excelente aplicação para IPad (uma das melhores peças de engenharia e design que conheço) na qual podemos ler o livro, acompanhados por excelentes imagens, por vezes narradas, vídeos, mapas, infográficos, que complementam a leitura do texto.

Ainda não li todo o livro, mas a interactividade que a aplicação consegue é excelente. Um bom caminho a seguir na edição de livros, de catálogos de museus ou exposições e até em publicações sobre o museu em si. Se tiverem oportunidade vejam a aplicação ou um dos muitos vídeos que está no youtube com demonstrações da aplicação a funcionar.