CONVERSAS DE MUZÉ | 3º EPISÓDIO – A Santíssima Trindade

CONVERSAS DE MUZÉ | 3º EPISÓDIO – A Santíssima Trindade

Vamos falar de uma coisa que são três coisas em que cada coisa é uma coisa, muitas vezes difícil de distinguir das outras duas. Confusos? É natural, afinal este é o mistério… da documentação. Mas, se dissermos que a santíssima trindade responde a estas três perguntas sobre qualquer coisa: Como lhe chamo? Que atributos a definem? Como faço para a descrever de uma forma inequívoca? Fica mais claro? Não…? Vamos ver se conseguimos explicar melhor neste episódio As sugestões do chefe, claro, são três: Art & Architecture Thesaurus® Online CIDOC Conceptual Reference Model (CRM) SPECTRUM Standard  A imagem deste episódio é daqui

Vamos falar de uma coisa que são três coisas em que cada coisa é uma coisa, muitas vezes difícil de distinguir das outras duas. Confusos? É natural, afinal este é o mistério… da documentação.

Mas, se dissermos que a santíssima trindade responde a estas três perguntas sobre qualquer coisa:Como lhe chamo? Que atributos a definem? Como faço para a descrever de uma forma inequívoca?

Fica mais claro? Não…? Vamos ver se conseguimos explicar melhor neste episódio

As sugestões do chefe, claro, são três:

Art & Architecture Thesaurus® Online
CIDOC Conceptual Reference Model (CRM)
SPECTRUM Standard 

A imagem deste episódio é daqui

CONVERSAS DE MUZÉ | 2º EPISÓDIO – Avaliação para que te quero?

CONVERSAS DE MUZÉ | 2º EPISÓDIO – Avaliação para que te quero?

Em tempo de pandemia tivemos uma borla da plataforma Zencastr e podemos ter um convidado à nossa mesa de muzé. A Juliana sabe falar muito melhor que nós sobre avaliação e veio contar-nos porque é importante e tão necessária nos nossos museus e demais instituições de memória. As sugestões neste episódio são da chefa Juliana. Aqui ficam as ligações mas ouçam que ela explica tudo sobre cada uma delas. E ainda deixa um desafio: vamos constituir um grupo de trabalho para aplicar a avaliação RUMO? Digital Benchmarking Tool for the Culture Sector Digital Culture Compass Re-Org RUMO 1.2 A imagem deste episódio é o logotipo do projeto da Juliana e tem a autoria de Pedro Oliveira

Em tempo de pandemia tivemos uma borla da plataforma Zencastr e podemos ter um convidado à nossa mesa de muzé. A Juliana sabe falar muito melhor que nós sobre avaliação e veio contar-nos porque é importante e tão necessária nos nossos museus e demais instituições de memória.

As sugestões neste episódio são da chefa Juliana. Aqui ficam as ligações mas ouçam que ela explica tudo sobre cada uma delas. E ainda deixa um desafio: vamos constituir um grupo de trabalho para aplicar a avaliação RUMO?

Digital Benchmarking Tool for the Culture Sector
Digital Culture Compass
Re-Org
RUMO 1.2

A imagem deste episódio é o logotipo do projeto da Juliana e tem a autoria de Pedro Oliveira

CONVERSAS DE MUZÉ | 1º EPISÓDIO Digital vs. … quê?!

CONVERSAS DE MUZÉ | 1º EPISÓDIO Digital vs. … quê?!

Digital vs. … quê?!

O prometido é devido! Houve mais de 100 audições do piloto e aqui está o episódio 1   🙂

O prometido é devido! Houve mais de 100 audições do piloto e aqui está o episódio 1   🙂 Falamos de um não assunto mas que, ainda assim, ocupa muita gente no universo das BAM*: a suposta guerra entre a utilização de ferramentas digitais e as outras formas de gerir e comunicar a informação nas instituições de memória. Tentamos definir conceitos e, sobretudo, chamar a atenção para a importância de centrar a discussão no que realmente interessa: preservação de informação para gerar conhecimento e memória , qualquer que seja o suporte ou o formato. Nas Sugestões do Chefe convidamo-vos a explorar os recursos do OCLC , particularmente os que dizem respeito ao projeto ReALM: Reopening Archives, Libraries, and Museums A imagem deste episódio: © The Trustees of the British Museum (CC BY-NC-SA 4.0)  *Bibliotecas Arquivos e Museus

Falamos de um não assunto mas que, ainda assim, ocupa muita gente no universo das BAM*: a suposta guerra entre a utilização de ferramentas digitais e as outras formas de gerir e comunicar a informação nas instituições de memória. Tentamos definir conceitos e, sobretudo, chamar a atenção para a importância de centrar a discussão no que realmente interessa: preservação de informação para gerar conhecimento e memória, qualquer que seja o suporte ou o formato.

Nas Sugestões do Chefe convidamo-vos a explorar os recursos do OCLC , particularmente os que dizem respeito ao projeto ReALM: Reopening Archives, Libraries, and Museums

A imagem deste episódio: © The Trustees of the British Museum (CC BY-NC-SA 4.0

*Bibliotecas Arquivos e Museus

Conversas de Muzé | episódio piloto

Conversas de Muzé | episódio piloto

Conversas de Muzé: o Alexandre e a Zé conversam sobre museus como se estivessem num café.

O Alexandre e a Zé trabalham na área dos museus e da gestão da informação de património cultural e falam ambos pelos cotovelos. Estas conversas são a gravação do que costumam fazer sempre que se encontram: partilha de pensamentos, histórias, reflexões e disparates sobre a gestão de informação. Prometem ser enciclopédicos, cobrindo vários temas de A(lexandre) a Z(é), na esperança de serem ligeiramente relevantes para quem os ouve e trabalha no fantástico mundo da informação e documentação de bens culturais.


Episódio piloto

Episódio piloto: número de inventário ou as aventuras do identificador único Conversas de Muzé: o Alexandre e a Zé conversam sobre museus como se estivessem num café

Escolhemos para começar aquilo por onde começamos sempre na documentação de qualquer coleção: o número de inventário ou, como ele prefere ser chamado, o identificador único. O que é, para o que é que serve e, sobretudo, para o que é que não serve.  Falamos das formas como identificamos inequivocamente objetos de informação, conforme os define a ISO 5127:2017, e contamos algumas histórias sobre as formas como o número de inventário é usado em diferentes instituições de memória. Nas "Sugestões do Chefe" destacamos, muito atabalhoadamente, a Europeana. E estamos atabalhoados porque gravamos o episódio piloto a.C. (antes do Covid) e esta secção já foi gravada d.C… Prometemos ser mais profissionais no próximo episódio. Se o houver! A imagem usada neste episódio é daqui

Escolhemos para começar aquilo por onde começamos sempre na documentação de qualquer coleção: o número de inventário ou, como ele prefere ser chamado, o identificador único. O que é, para o que é que serve e, sobretudo, para o que é que não serve. 

Falamos das formas como identificamos inequivocamente objetos de informação, conforme os define a ISO 5127:2017, e contamos algumas histórias sobre as formas como o número de inventário é usado em diferentes instituições de memória.

Nas “Sugestões do Chefe” destacamos, muito atabalhoadamente, a Europeana. E estamos atabalhoados porque gravamos o episódio piloto a.C. (antes do Covid) e esta secção já foi gravada d.C… Prometemos ser mais profissionais no próximo episódio. Se o houver!

A imagem usada neste episódio é daqui

Conversas de Muzé | Podcast

Conversas de Muzé | Podcast

Conhecemo-nos há muitos anos atrás, em Guimarães num encontro sobre Normalização (que mais podia ter sido!?), e tivemos primeiro uma relação profissional que evoluiu, ao longo deste tempo, para uma excelente amizade. A Zé, que em tempos já foi a Maria José com direito a tratamento formal, é uma das boas amigas que a profissão me trouxe e com quem tenho as conversas mais mirabolantes sobre museus, informação, documentação e demais assuntos relacionados.

A amizade solidificou-se num projecto para a criação do Manual de Procedimentos do Sistema de Informação de Cascais onde trabalhamos, juntamente com a equipa dos museus, durante um ano e meio, discutindo a forma como os museus iriam utilizar o sistema de informação. Como podem imaginar, foi um trabalho que gerou diversas discussões interessantes e muito diversificadas, mas que resultou num documento exemplar, ainda hoje utilizado como referência por muitos museus que iniciam este trabalho. A partir daí a Zé deixou de ser a Maria José e até hoje mantemos esta boa amizade que é carregada da minha admiração profissional e pessoal por ela.

Há uns tempos, numa das nossas conversas, pensamos em gravar um podcast. Sim um podcast, imaginem lá. E não um podcast qualquer, um podcast sobre documentação, gestão de informação, normas, etc. nas áreas dos BAM (sim é isso… a sigla que a Zé cunhou na minha cabeça, Bibliotecas, Arquivos e Museus). O resultado é este episódio piloto que agora vos deixo aqui no Mouseion (pelo menos, por agora, ficará aqui) das Conversas de Muzé! Um podcast em que os temas vão de A a Z, ou seja, do Alexandre à Zé, e que esperamos seja do agrado dos amigos e colegas de profissão.

Prometemos, caso a coisa ultrapasse as 100 audições, que seguiremos para um primeiro episódio (à séria), um segundo e quem sabe um terceiro. Se a coisa correr mesmo bem, quem sabe se não nos aventuramos a ter convidados e tudo. Se correr mais do que bem, o céu é o limite e já nos vejo a negociar com um canal de TV qualquer a emissão em prime time.

As conversas de Muzé estão também disponíveis nas seguintes plataformas.

Vamos falar de uma coisa que são três coisas em que cada coisa é uma coisa, muitas vezes difícil de distinguir das outras duas. Confusos? É natural, afinal este é o mistério… da documentação. Mas, se dissermos que a santíssima trindade responde a estas três perguntas sobre qualquer coisa: Como lhe chamo? Que atributos a definem? Como faço para a descrever de uma forma inequívoca? Fica mais claro? Não…? Vamos ver se conseguimos explicar melhor neste episódio As sugestões do chefe, claro, são três: Art & Architecture Thesaurus® Online CIDOC Conceptual Reference Model (CRM) SPECTRUM Standard  A imagem deste episódio é daqui
  1. A Santíssima Trindade
  2. Avaliação para que te quero?
  3. Digital vs. … quê?!
  4. Episódio piloto: número de inventário ou as aventuras do identificador único