X Jornadas do ICOM Portugal

X Jornadas do ICOM Portugal

Sobre o tema “Deontologia dos profissionais de museus: Novos Paradigmas?” terão lugar no Museu Nacional Soares dos Reis as X Jornadas do comité nacional do ICOM no próximo dia 27 de Março. O programa inicia-se às 10:00h e estende-se até às 18:00h, realizando-se em seguida a Assembleia Geral do comité, como tem sido costume.

Recordo a todos os interessados que a entrada é livre e não é necessária qualquer inscrição. A participação está limitada, no entanto, à capacidade do auditório do museu.

Num tempo de crise e de dúvidas é sempre lembrar que temos um código deontológico que rege a profissão e que deve ser seguido sem excepção. Abaixo fica o cartaz com o programa que recebi do ICOM Portugal.

 

Rocha Peixoto – das Ciências às Humanidades

Rocha Peixoto – das Ciências às Humanidades

Para quem estiver no Porto e sem programa logo à noite, sugiro a mesa redonda organizada pela Universidade do Porto intitulada “Rocha Peixoto – Das Ciências às Humanidades” com a presença de Frederico Sodré Borges, professor catedrático aposentado da Faculdade de Ciências (FCUP), Luís Cabral, bibliotecário arquivista da Câmara Municipal do Porto e António Manuel Passos Almeida (meu caro colega e amigo), técnico superior da Casa-Oficina António Carneiro.

António Augusto da Rocha Peixoto foi um arqueólogo e etnólogo português. Nasceu na Póvoa de Varzim, mas veio para o Porto estudar, para o Liceu Central e para a Academia Politécnica, onde acaba por trabalhar como naturalista. Organizou o Gabinete de Mineralogia, Geologia e Paleontologia da Academia Politécnica do Porto (precursora da Universidade). Foi Professor na Escola Industrial Infante D. Henrique e Diretor da Biblioteca Pública Municipal do Porto e do Museu Municipal do Porto.
Chegou a secretariar a «Revista de Portugal» fundada pelo seu conterrâneo Eça de Queirós e colaborou em outros jornais e revistas. Na Póvoa de Varzim fez trabalhos de arqueologia na cividade de Terroso. Duas semanas depois de morrer, o corpo foi transferido do cemitério de Agramonte no Porto para o da Póvoa.
Para além de investigador foi um divulgador de ciência.
A mesa redonda terá lugar no Auditório Ruy Luíz Gomes (4º piso) do edifício da Reitoria da U.Porto (Praça Gomes Teixeira) pelas 21:30h. A entrada é livre.
Eu confesso que tinha planeado ir, mas como tive de rumar a sul temo não chegar a horas.
© Imagem daqui.
Museus e Sustentabilidade Financeira

Museus e Sustentabilidade Financeira

Excelentes duas horas que passei no encontro organizado pelo ICOM Portugal sobre a sustentabilidade financeira (e outras) dos museus nos tempos difíceis que vivemos. Excelente também a organização deste encontro pela Maria Vlachou e pela Inês Brandão e a oportunidade do mesmo e por estes motivos aqui fica o meu reconhecimento à actual direcção do ICOM pelo trabalho que tem desenvolvido nos últimos anos.

Para além do meu reconhecimento fica também um pedido de desculpas mais público, por não me ter sido possível assistir a todo o encontro, mas as responsabilidades inerentes à paternidade e questões urgentes no trabalho, impediram-me de ter assistido, como gostava, a todas as comunicações.

Em todo o caso alguns aspectos que foram abordados da parte da manhã serviram de mote para pensar sobre este importante assunto e perceber que não podemos ter uma receita comum para todos os museus e que todo este problema tem de ser encarado de uma forma global e respondido com base numa sólida estratégia reflectida numa política museológica para ser implementada no médio prazo.

Dos assuntos abordados e discutidos houve um que me chamou a atenção, por me parecer de resolução tão óbvia, a actual lei do mecenato e o empecilho que a burocracia do Estado é para as empresas e particulares. E chamou-me a atenção por ser um assunto sobre o qual ainda não ouvi (nos últimos tempos pelo menos) uma única declaração da parte dos responsáveis. Era uma boa contrapartida aos anunciados cortes, não vos parece? Uma lei do mecenato que ajudasse o sector em vez de ser complicada e geograficamente focalizada na capital ou em instituições culturais de grande porte. Uma lei que pudesse facilitar e dar incentivos a quem pretende contribuir directamente para um projecto cultural da sua eleição.

Parece-me que temos muito, mesmo muito para fazer, mas ontem fiquei com a certeza que temos gente competente para levar o barco a bom porto.

Uma excelente proposta

Uma excelente proposta


[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=NTAIBv-oVYk]

Juro que não dão o vosso tempo se virem o vídeo acima com atenção. E até podem tirar ideias…

Ask a curator – 1 de Setembro de 2010

O dia 1 de Setembro é palco de uma brilhante iniciativa que terá como palco o Twitter (uma excelente ferramenta para os museus), o “Ask a curator” . Basicamente trata-se de uma sessão de perguntas e respostas à escala global em que todos podemos perguntar e tirar dúvidas com alguns dos maiores especialistas em Museus no Mundo. Pena é que ainda não haja nenhum museu português na lista das instituições que participam neste evento.

Para mais informações é dar um salto aqui ou pesquisar no twitter pela hashtag #askacurator.

Duas iniciativas a não perder

Para uma não é preciso grande publicidade, afinal as Tapeçarias de Pastrana que relatam os feitos de D. Afonso V nas conquistas de Arzila e Tangêr têm tido grande publicidade nos meios de comunicação nacionais. No entanto, não posso deixar de os alertar para não perderem a oportunidade de ver a exposição que se encontra patente no Museu Nacional de Arte Antiga. Se precisarem de informações adicionais podem encontrar aqui tudo o que precisam.

Para a segunda a publicidade não é tão evidente. No entanto tem sido uma excelente iniciativa que o IMC tem conseguido promover, com o apoio do Turismo de Portugal, ao longo deste verão com assinalável sucesso. Neste programa encontrarão certamente um museu perto de vocês, mas eu recomendo (se puderem) a noite de Fados que vai ter lugar no Museu Nacional dos Coches com a participação do Museu do Fado. É a não perder!