Promuseus finalmente!

Ciente das necessidades do país e da constante relegação para segundo plano dos problemas de todo o sector da cultura, não posso deixar de louvar a importância da iniciativa por parte do Instituto de Museus e Conservação de reabrir o Programa Promuseus para financiar projectos de museus (da Rede Portuguesa de Museus), preferencialmente nas áreas das reservas, divulgação e parcerias. É certo que 250 mil euros não são suficientes para quase nada e não haverá verba disponível para todos os projectos e todos os museus, mas se os critérios de selecção forem bons e a escolha dos projectos criteriosa, sempre se pode acrescentar alguma mais-valia aos museus seleccionados.

Conhecendo uma boa parte dos museus da RPM e sabendo de algumas iniciativas que têm vindo a preparar e apresentar com grande sucesso, antevejo um grande número de participações e grandes dificuldades de escolha, mas estou certo que será dinheiro bem aplicado na maior parte dos casos.

Nunca tenho oportunidade

Ando há anos a tentar ir visitar as galerias romanas da Rua da Prata. Tenho curiosidade em conhecer o sítio e passar um tempo por baixo das ruas da baixa pombalina. Não me recordo de quem me contou uma visita e e disse que realmente valia  a pena o tempo passado ali.

Este ano, uma vez mais, não vou poder estar em Lisboa nos dias em que estão abertas ao público, mas deixo aqui a notícia para quem puder.

Perdidos e achados

Não… ainda não é desta que retomo a escrita do blog com cabeça, tronco e membros (principalmente a cabeça), mas não posso deixar passar uma notícia como a do “globo perdido de Schissler” que veio à luz dos meus olhos pelo Ípsilon e que me dá uma sensação de satisfação por ter sido encontrada e de curiosidade por ter demorado tanto tempo a chamar a atenção.

Um museu em casa

Ou o coleccionismo levado ao extremo é coisa que não se vê todos os dias, mas leiam nesta notícia do New York Times e vejam a apresentação multimédia para terem uma melhor percepção do ponto a que estas coisas podem chegar.