Notre Dame

Notre Dame

Não há como descrever a sensação de perda quando vemos, em directo, através da redes sociais e da televisão, o incêndio na Catedral de Notre Dame de Paris.

Incêndio 2019 – Notre Dame | Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP

Eu sei, agora todos nós sabemos, que a mais famosa catedral parisiense, não é exactamente uma catedral do século XII (tal qual a construíram então, pelo menos), mas sim o resultado de séculos de história, marcados fortemente pela intervenção de Viollet-le-Duc e Lassus que agora foi vemos reduzida (parcialmente) a cinzas neste grande incêndio. No entanto, todos a víamos como o local do nascimento do Gótico e a catedral de Quasimodo, celebrizada por Vitor Hugo, que era ponto obrigatório de passagem e paragem nas visitas a Paris.

Recordo-me, na primeira vez em Paris, em 2007, quando cheguei à fachada da catedral de pensar nas aulas de história de arte e da História da Arte do Janson e juntar cor à fotografia a preto e branco que ilustrava, de longe, o conjunto monumental. Ali estava ela, enorme, a alcançar os céus, como deve ser numa catedral, local de culto, celebração e de fé. Espanta-me sempre a beleza que a fé consegue produzir.

Naquela altura decorria uma celebração na catedral, não tenho a certeza se uma missa ou se outra qualquer cerimónia específica e nós ainda tinhamos muito que calcorrear em Paris, por isso entrei apenas por alguns instantes, tirei duas ou três fotografias e saí com o objectivo de ir à Shakespeare and Company. Foi a primeira e última vez que lá estive e que vi a Notre Dame. Estava certo que a reencontraria mais tarde, com mais tempo, para uma conversa mais demorada.

Não imaginava eu, e espero continuar a não imaginar com outros casos, que a Notre Dame sucumbiria num desastre como o de ontem. No entanto, já quando se deu o incêndio no Museu Nacional, sobre o qual o Gabriel escreveu aqui, é sempre nestes momentos que me assaltam as dúvidas sobre a nossa real capacidade de proteger e salvaguardar o património cultural que temos para passar à próxima geração. É sempre nestas alturas que pergunto a mim mesmo “então e se isto acontecesse na Torre dos Clérigos, na Batalha, no Convento de Cristo, em Alcobaça ou nos Jerónimos?” Será que conseguíamos travar uma tragédia destas? Ou pelo menos minimizar os prejuízos e danos causados? Temos nós planos de segurança para todos os nossos monumentos? Há meios que assegurem que todas as medidas de segurança estão activas no caso de se dar uma tragédia semelhante? E além disso, estão estes monumentos bem documentados para que, em caso de tragédia, a perda não ser total?

E o que fazer a seguir a uma perda desta magnitude? Reconstruir algo muito semelhante? Reproduzir o modelo anterior? Que métodos construtivos usar? Que materiais? Deixar a reconstrução de lado e pensar numa nova construção? Numa nova Notre Dame? Com que modelos? Quem a pensaria? Será certamente uma discussão acalorada nos próximos tempos em França, como prevê o João Pinharanda, mas não terá, estou certo também uma decisão de consenso alargado.

Selfie crash!

Selfie crash!

Um dia tinha que acontecer! Ainda há uns tempos venerava eu o Desterrado no MNSR e pensei para mim “este sacana é tão fabuloso que não tarda a aparecer numa selfie com alguém!” Ou então acaba em vítima de um “selfie crash”!

Selfie Crash

© Expresso | DR

O acidente com a escultura de D. Sebastião da fachada da Estação do Rossio é, para começo de conversa, estúpido! Não consigo compreender, por muito que tente, aquilo que moveu a vontade da pessoa que se queria fotografar ao lado do nosso rei desaparecido. Acreditem que tentei, mas escapa-me por completo aquilo que leva alguém a subir para ali só para ficar com um registo ao lado da escultura, quando poderia muito bem fazer algo parecido sem ter que despender o esforço na curta escalada! Seria certamente para fazer  um “faceswap” no MSQRD, porque se fosse para provar à mãe ou à namorada que estava mesmo no Rossio bastava uma selfie sem crash! Mas todos sabemos que há um monte de rapaziada com esta propensão! E quem não sabe, veja o excelente programa “Science of Stupidity” que fica informado sobre esta franja enorme da população.

Tenho uma curiosidade enorme em saber, da boca do próprio, o que o motivou. Sinceramente acho que não tinha qualquer noção do risco e, muito menos, do valor patrimonial e histórico que a escultura representa dado tratar-se de um monumento nacional já classificado há algum tempo (certamente nem saberia que é um monumento nacional… ou se calhar desconhece o conceito de monumento nacional).

Embora perceba que este caso específico mereça a atenção da comunicação social e se devam tirar as consequências judiciais ajustadas, julgo que o caso nos deveria fazer reflectir sobre qual o valor do nosso património histórico para a nossa população e para os turistas que nos visitam. É meramente estético? Percebemos o que significa a representação da nossa história? Temos noção do que representa o património? É importante para a sociedade actualmente? É meramente ilustrativo? Ou, pelo contrário pode contribuir para mudanças sociais através de uma reflexão sobre os temas que invoca?

Em duas ou três conversas com amigos fora da área percebo que a indignação é relativa. Há quem perceba e critique o causador do “selfie crash”, há quem pergunte porque não estava a escultura presa e há quem pergunte “mas quem raio era D. Sebastião?” E vocês? O que acham sobre este caso?

Era só uma questão de tempo

Era só uma questão de tempo

Todas as vezes que ouço ou leio notícias sobre o Estado Islâmico fico completamente chocado com os meios que estes radicais (eu teria um nome, também acabado em “ais” para estes senhores) utilizam, para em nome de Deus, cometerem crimes horrendos. Em boa verdade, para quem ouve, agora quase diariamente, que o EI decapitou uma, 30, 20, pessoas, que as queima vivas, etc., não deveria ficar chocado com a notícia da destruição de património da civilização Assíria que se encontrava no Museu de Mosul, no norte do Iraque, e noutros locais dessa região, conforme é noticiado aqui.

O vídeo que tem passado nas redes sociais, juntamente com as notícias da invasão e destruição da Biblioteca Central de Bagdad, são, para quem sabe a importância do património cultural para a compressão da sociedade actual (entre outras razões), uma prova da falta de respeito que estes radicais têm por tudo que não seja a sua visão do mundo (deturpada por aquilo que eles entendem ser o Islão e os ensinamentos do Profeta).

Por isso sabia-se, sabíamos todos, que seria uma questão de tempo até que estes crimes fossem perpetuados. É também uma falha nossa esta destruição.

© Imagem: AP

E novidades? Tens?

E novidades? Tens?

Todos os dias chegam-me, pelas mais diversas vias, notícias sobre a actualidade (política, desportiva, cultural, etc.). É, desde que me lembro de comprar jornais, a primeira coisa que faço (mesmo que seja por breves instantes) quando chego ao trabalho ou quando estou a tomar café, a caminho de um local qualquer. É um ritual que me dá prazer e que é absolutamente necessário para a vida profissional e pessoal. Um hábito que adquiri através do meu pai.

Normalmente foco-me naquilo que são as boas notícias do dia. Sou um optimista, bem sei, mas focar a atenção no que é positivo é, em meu entender, mais produtivo do que lamuriar o negativo. Não o negligencio, aprendo com ele, mas faço-o tal e qual como aprendemos (será que aprendemos?) a olhar para os maus momentos da História, evitando repetir os erros que nos levaram a esses momentos. Dito isto, aqui ficam algumas notícias que hoje me chegaram ao ecrã:

Museus Militares do Porto e Elvas e Museu da Marioneta credenciados na Rede Portuguesa de Museus

Ora aí está uma boa notícia. Conheço os dois primeiros e, infelizmente, ainda não tive oportunidade de conhecer o Museu da Marioneta. Mas o reconhecimento do empenho que os museus e as suas tutelas dedicam no processo e exigências para pertencerem à RPM é sempre motivo para festejar. A RPM pode estar numa fase difícil, mas é, sem qualquer sombra de dúvida, um dos mais importantes projectos para os museus portugueses das últimas décadas. A sua continuação, ainda que em moldes que não sejam os mais indicados, é também uma notícia importante. A lamentar apenas, nesta notícia, a saída do Museu Agrícola de Entre o Douro e Minho da rede, mas o lamento já tem algum tempo (o museu fechou já há algum tempo).

Os despachos citados na notícia podem ser encontrados aqui.

Museu do Brinquedo em Sintra irá fechar em breve

Não é uma notícia de hoje, antes pelo contrário, mas o que é actual é este texto da Maria Vlachou e a interpelação do BE ao governo sobre o assunto. Sobre o texto da Maria (que subscrevo inteiramente) apenas vos quero dizer que fico exactamente com as mesmas dúvidas que ela tem: porque é triste? porque é que o museu vai fechar? o que é que o museu oferecia à sua comunidade? Analisar estas questões apenas com números (orçamento e número de visitantes) é um dos maiores problemas relativamente à sustentabilidade dos museus em Portugal. E pensar em novas formas (concretas) de financiamento público e privado dos museus, não seria melhor do que interrogar o governo sobre um museu específico, ó rapaziada do BE?

APOM elege novos corpos sociais para o triénio 2014-2017

Não tivesse sido eu membro dos corpos sociais anteriores e destacaria igualmente esta notícia. A APOM é uma das mais importantes organizações associativas na área da cultura e museus. A eleição de novos corpos gerentes é a prova da sua vitalidade e dinamismo. Eu queria aqui mandar um abraço especial ao João Neto e a todos os colegas da anterior direcção (os que transitam e os que seguiram outros caminhos), bem como a todos os colegas que foram agora eleitos. Um enorme abraço e os meus mais sinceros desejos do maior sucesso.

Exposições na Europeana

Não vos vou maçar de novo com a minha opinião sobre este importante projecto europeu, mas queria chamar a atenção para os meus colegas e para os museus portugueses para a importância de participar na construção de recursos como os que agora estão online no portal Europeana Exhibitions. Alerto para este recurso que é um importante complemento da disponibilização das coleções online. Não basta colocar a informação técnica sobre os objectos disponível na rede, é (mais importante ainda) tratar essa informação, apresentar esses dados de forma contextualizada, segundo os mesmos critérios que nos norteiam na construção das exposições.

A publicação de mais um número da MIDAS

As publicações científicas na nossa área são escassas. Quer as editadas aqui em Portugal, quer as que têm o português como principal língua. Por isso é importante a existência de uma revista com revisão científica credível como a MIDAS. Neste número irão encontrar bons artigos e um dossiê dedicado ao tema “Museos y participación biográfica”. Eu fiz um pequeno contributo com a recensão crítica do livro “Museus del Templo al Laboratorio: La Investigación Teórica” de Juan Carlos Rico, mas já vi que temos muitos temas interessantes para ler neste número.

A maior coleção de gravuras de Rembrandt está em Águeda

Eu não gosto do título desta notícia. Julgo que é algo muito português esta mania que o nosso jornalismo tem de tentar que tudo seja passível de entrar para o livro dos Records do Guiness! A maior coleção do mundo, o maior fóssil da europa, o maior pastel de chaves, a maior sardinhada, etc. são maus títulos que escondem aquilo que, em meu entender, seria a verdadeira notícia: uma coleção boa de gravuras de Rembrandt, boa! E como ela chegou ao museu da fundação? Que história têm aquelas peças? Onde é o Museu? Quem era Dionísio Pinheiro e porque dá o nome ao museu e à fundação? Entre outras…  Ainda assim um exemplo, se calhar desconhecido para a maioria da população, daquilo que os nossos museus têm para oferecer.

E que mais notícias têm vocês para me dar?

© imagem: www.mashable.com

5º Encontro Paulista de Museus – S. Paulo – Brasil

5º Encontro Paulista de Museus – S. Paulo – Brasil

Numa altura em que a administração central* de museus em Portugal se entretém (desculpem-me, mas não lhe consigo chamar outra coisa) a publicar regulamentos de utilização de imagens do património ou a despachar (no sentido literal do termo) novas condições de acesso ao património português (aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), a Secretaria de Cultura do Estado de S. Paulo convoca, para discutir o futuro da política estadual de museus (imagine-se!!!) os museus e os seus profissionais.

O 5º Encontro Paulista de Museus, que se realizará no Memorial da América Latina, entre 19 e 21 de Junho, propõe:

…debater políticas públicas para as instituições museológicas brasileiras e ampliar a interlocução e a rede de colaboração dos museus paulistas.

No programa deste encontro encontramos temas de debate muito interessantes, como as políticas públicas de museus no espaço da federação de estados que é o Brasil, a utilização dos museus como promotores do relacionamento social, a realização da Conferência Anual do ICOM no Brasil, a documentação e pesquisa nas colecções museológicas (um painel onde participará o meu caro e ilustre amigo Fernando Cabral), educação, segurança das colecções, etc. Os debates e suas conclusões serão tidos em conta na elaboração das políticas públicas para os museus no estado de S. Paulo e, tendo em conta a sua influência no restante país, serão reflectidas em diversos outros estados daquele país.

Deste lado do Atlântico fico com uma inveja saudável por ver colegas e instituições a debater o seu futuro e fico saudoso do tempo em que se debatia de forma aberta e participada aqui em Portugal a constituição de uma rede de museus, a criação de uma política para os museus, a criação de uma lei quadro dos museus, etc. Estamos, como menciona o Dr. Luís Raposo no seu artigo no Público sobre as condições de acesso a museus e monumentos, a viver um retrocesso sem paralelo na história recente do país.

*Mantenho apenas a referência a central. É estranha para mim a organização regional que querem dar à cultura, num país que culturalmente tem mais sentido uno do que dividido desta forma.

José Hermano Saraiva – 1919 – 2012

José Hermano Saraiva – 1919 – 2012

Nascido em Leiria, a 3 de Outubro de 1919, começou os seus estudos na cidade natal. Ingressou mais tarde na Universidade de Lisboa, onde se licenciou em Ciências Histórico-Filosóficas, em 1941, e em Ciências Jurídicas, em 1942.

Começou a sua carreira como professor, acrescentando depois ao seu currículo a advocacia. Entrada depois na política durante o Estado Novo, tendo em 1957 sido deputado à Assembleia Nacional e procurador às cortes. Ainda antes do 25 de Abril assumiu os cargos de procurador à Câmara Corporativa e ministro da Educação, entre 1968 e 1970, cargo no qual foi substituído por Veiga Simão após a crise académica de 1969. Em 1972 passaria a a ser o embaixador de Portugal em Brasília.

Depois do cargo diplomático, José Hermano Saraiva iniciou uma colaboração com a RTP em 1971 que se manteve até hoje. Primeiro com “Horizontes da Memória”, depois com “Gente de Paz”, “O Tempo e a Alma”, “Histórias que o Tempo Apagou” e “A Alma e a Gente”.

Um dos seus livros mais conhecidos é a “História concisa de Portugal”, já na 25.ª edição, com um total de cerca de 180 mil exemplares vendidos. Editado pela primeira vez em 1978, este título foi já traduzido em espanhol, italiano, alemão, búlgaro e chinês.

José Hermano Saraiva dirigiu também uma outra História de Portugal em seis volumes, publicada em 1981 pelas Edições Alfa. Na área da História, José Hermano Saraiva publicou perto de 20 títulos, entre eles “Uma carta do Infante D. Henrique”, “O tempo e alma”, “Portugal – Os últimos 100 anos”, “Vida ignorada de Camões” ou “Ditos portugueses dignos de memória”.

O historiador foi distinguido com a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública, a Grã-Cruz da Ordem do Mérito do Trabalho, a Comenda da Ordem de N. S. da Conceição de Vila Viçosa e a Grã-Cruz da Ordem de Rio Branco (Brasil).

Habituei-me, muitos anos antes de sonhar sequer em tirar História, a ouvir na televisão o Prof. José Hermano Saraiva a falar sobre o País e as suas gentes com uma paixão que se sentia à distância e que, em abono da verdade, sujeitava a verdade cientifica a uma visão mais romanceada da História da nação. Algo que não me interessava nada na altura e que normalmente ouvia o meu pai e família repetir sempre que passávamos na Batalha, nos Jerónimos, no Castelo da Feira, na ponte romana de Chaves, nas belas fortificações de Elvas ou na maravilhosa vista sobre o Douro que tínhamos nas idas à Régua.

Na universidade e nos primeiros anos de vida profissional distanciei-me do historiador e dos seus programas, para alguns anos mais tarde perceber que lhe devo, em boa parte, algum deste gosto pelo património e cultura portugueses.

Foi o maior comunicador de património e tradições do país e, quanto mais não seja por isso, é uma enorme perda para o país.

© imagem daqui.