Rijksmuseum – Website

Rijksmuseum – Website

At the Rijksmuseum, art and history take on new meaning for a broad-based, contemporary national and international audience.

As a national institute, the Rijksmuseum offers a representative overview of Dutch art and history from the Middle Ages onwards, and of major aspects of European and Asian art.

The Rijksmuseum keeps, manages, conserves, restores, researches, prepares, collects, publishes, and presents artistic and historical objects, both on its own premises and elsewhere.

Tendo como missão uma tarefa tão nobre como difícil, o Rijksmuseum consegue com este website dar um enorme passo para a cumprir com uma qualidade invejável. A partir de hoje este entra para a categoria dos melhores sites de museus que eu conheço e recomendo.

Ranking de websites de Museus

A Kunstpedia, um site que encontrei a partir deste link do Erfgoed 2.0 (não deixem de visitar. Embora esteja em Alemão é um excelente blog), é descrita como sendo “the knowledge base on fine- and applied arts, popularly stated arts and antiques, with the exception of contemporary art” publica um ranking de popularidade dos sites dos museus em todo o mundo. Pelo que percebo apenas são tidos em conta museus em que o site utiliza um domínio próprio e não aqueles em que o site é baseado num domínio de tutela, por exemplo, uma vez que a comparação entre acessos aos vários sites só assim é credível. Para além disso apenas museus de Arte e relacionados estão aqui incluídos.

Este ranking que pode ser consultado aqui ou aqui, caso pretendam ver a classificação por país, tem como top 10 os seguintes excelentes exemplos (todos com características diferentes, mas comuns em muitos aspectos):

1.Museum of Modern Art (MoMA)
2.Metropolitan Museum of Art
3.Musée du Louvre
4.National Gallery of Art
5.Victoria and Albert Museum
6.J. Paul Getty Museum
7.Deutsches Historisches Museum
8.Los Angeles County Museum of Art (LACMA)
9.State Hermitage Museum
10.Brooklyn Museum of Art

Para além de ser um ranking muito útil (podemos encontrar vários sites de museus bastante interessantes e feitos com muito cuidado e atenção a pormenores), este tipo de iniciativas permite-nos perceber porque é que alguns museus têm sucesso na sua experiência online e outros têm mais dificuldade em comunicar neste meio imenso e cheio de possibilidades que é a internet. Claro que poderão dizer que os 10 primeiros são sites de museus com bastantes meios (recursos humanos e financeiros), mas eu contraporia que tirando a questão do investimento em construção/criação de conteúdos (a fatia mais cara, penso eu, mas que faz parte da missão de cada museu, segundo o ICOM) que o museu pode utilizar também para outros fins, a tecnologia à disposição hoje em dia permite fazer algo semelhante a um custo bastante acessível.

Outro dado que me chamou a atenção foi a presença neste top 10 de 6 museus dos Estados Unidos da América (é o país que me parece ter mais peso na longa lista disponível), contra apenas 1 francês, um inglês, um alemão e outro russo. Parece exagerado se tivermos em conta a diferença de “idade” entre EUA e a Europa, mas certamente é explicado com a enorme apetência existente em todos os sectores culturais norte-americanos para uma comunicação eficiente e vasta.

Por fim apenas uma menção aos dois museus presentes na lista: o MNAA e o Museu Gulbenkian. Não se encontram disponíveis no ranking global(?), mas podem encontrá-los no ranking por países, o que é de todo uma surpresa para mim. Embora não sendo os melhores sites que conheço, são bastante melhores do que alguns que se encontram no ranking. Sofrem por estar num país pequeno (com poucos milhões de pessoas a visitar os seus endereços) e o MNAA soferá por não ter uma versão em inglês? Não penso que haja uma resposta simples, mas penso que seria de pensar no assunto.

Em todo o caso, cada um dos dez primeiros vale uma visita com atenção.

A falta de tempo

Estou em falta com com três ou quatro tarefas que assumi e pretendo cumprir até ao final do dia, no entanto consegui finalmente tempo para ler os e-mails atrasados, as sugestões de boas leituras (que já se encontram organizadas… obrigado a quem as enviou), os rss de blogs e sites com informação útil para a tese e sobre museologia em geral entre algumas outras coisas com menor relevância. Já ao tempo que não sabia o que era ter o Netnewswire sem qualquer entrada para ler.

De todas as leituras que fiz hoje gostava de destacar uma: a indicação através da Mailing List do Museums Computer Group, pelo Prof. Gerry McKiernan da Iowa State University, do trabalho de Nancy Proctor e do seu interessante blog sobre plataformas móveis (tecnológicas, obviamente) e museus. O site é www.museummobile.info. Pretende ser um fórum de debate da utilização das tecnologias móveis em museus (principalmente no que diz respeito à interpretação das suas colecções). Não deixem também de subscrever o podcast que é bastante interessante. Como é um tema que me interessa cada vez mais, não podia deixar de o mencionar aqui.

Museu da História de França

Deve ser um dos mais apelativos sites de Museus que tenho encontrado nos últimos tempos (mesmo não sendo o Francês a minha língua predilecta e de não morrer de amores pela cultura francesa). Uma lição de história bem estruturada e acompanhada de uma timeline que nos permite acompanhar o passar dos tempos, com alguns dos factos mais relevantes da história de um dos mais importantes países europeus.

A ver em http://www.museehistoiredefrance.fr.

Museu D. Diogo de Sousa

Já faz algum tempo que ando com a intenção de ir visitar o Museu D. Diogo de Sousa. Bem sei que é uma grande falha, principalmente para com a minha amiga Isabel, mas ao tempo que o trabalho não me dá a oportunidade de me deslocar à cidade dos Arcebispos (até porque tenho outros motivos para lá ir) com o tempo necessário para das as voltas que o museu merece. Ao que me dizem, tendo sido um parto difícil, parece que o rebento saiu muito bem e que tem sido bastante elogiado dentro do universo museal português.

No entanto, hoje fica aqui a notícia (só hoje é que soube) do novo site de um museu que me é quase tão querido quanto o Museu de Aveiro. O endereço é: http://mdds.imc-ip.pt.

Vale a pena uma visita (ao site e principalmente ao Museu)