De volta à estrada (finalmente)

De volta à estrada (finalmente)

Estamos de volta (finalmente) à estrada! Foram meses e meses e mais meses atrás do ecrã, em zoom, teams, meets, etc., mas finalmente começamos a sair e, com todos os cuidados, voltamos já esta semana a duas formações presenciais em Torres Vedras e em Bragança. Confesso que já há muito que não ficava contente por gastar gasolina (ainda por mais ao preço a que está), mas desta vez fiquei apesar do rombo no orçamento das despesas mensais!

Começamos esta semana, mas continuamos nas próximas com dois eventos muito interessantes. O primeiro, já no próximo dia 22, é o Workshop BAM! Precisamos de normas! Normas e modelos de dados em B(ibliotecas), A(rquivos) e M(useus). Sim, fixem o BAM! Vai colar e substituir a sigla inglesa GLAM! Este workshop trará a Lisboa, ao Goethe-Institut Portugal, a Monika Hagedorn-Saupe e o Axel Ermert do CIDOC para falarem sobre normas do CIDOC e da ligação entre este e a ISO, nomeadamente através de projectos como o CIDOC CRM, mas também a Ana Alvarez Lacambra e um conjunto de colegas e amigos que têm construído muito o que de bom se faz em Portugal na área da normalização em museus (modéstia à parte que também eu estarei lá).

É um evento a não perder! Mas para o qual se precisam de inscrever, ok?

Na semana seguinte, mais precisamente no dia 29 (tudo às sextas), estarei no Alentejo, mais precisamente em Almodôvar, no 5º Encontro da Rede de Museus do Baixo Alentejo sobre o tema “Os Bastidores dos Museus: Modelos e Práticas, para aprender com os amigos e colegas a sul e partilhar aqueles que serão os desafios do futuro para os museus na área da documentação (mais bastidor não há).

A forma de inscrição e programa do encontro estão indicados na imagem abaixo, mas para facilitar é só enviar e-mail para turismo@cm-amodovar.pt com nome, entidade e contactos a indicar a vontade de participar.

Duas semanas e dois eventos importantes onde terei a possibilidade de matar um pouco das saudades! Espero encontrar-vos por Lisboa ou por Almodôvar!

O que há num nome?

O que há num nome?

O que é aquilo? Como é que eu identifico aquele objecto? O que lhe devo chamar? Como devemos chamar aos objectos que temos nas nossas colecções? Para que é que isto interessa? A quem é que isto interessa?

Há muito tempo atrás, ainda trabalhava no Museu de Aveiro, ouvi pela primeira vez a palavra “cibório”. Se não me atraiçoa a memória, foi nas reservas do Museu, à procura de um outro objecto qualquer para uma exposição, e foi um comentário de um colega, muito conhecedor da colecção, sobre a beleza de um cibório, que vendo a minha cara de ignorância logo completou… “a píxide… aí à tua frente!”. Na altura respondi-lhe “Santinho”! Fica sempre bem para disfarce de ignorância, mas na realidade não fazia a mínima ideia do que era um cibório. Para os que estão sintonizados com o meu eu da altura, deixo abaixo o significado de cibório no dicionário da Priberam:

ci·bó·ri·o
(latim ciborium, -ii, do grego kibórion, -ou, vaso de sementes, taça)
substantivo masculino

  1. Vaso sagrado, com tampa, em que se guardam as hóstias ou partículas consagradas. = PÍXIDE
  2. Vaso para mantimentos.
  3. [Arquitectura]  Baldaquino com que se cobria altares ou estátuas.Confrontar: zimbório.

Palavras relacionadas: píxidezimbóriosacrário.

“cibório”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/cib%C3%B3rio [consultado em 24-01-2020].

Tirando esta, aprendi mais umas quantas centenas de nomes (ou designações de objectos, ou designações comuns ou nomes comuns para deixar algumas das formas que usamos para identificar este tipo de informação), desde então até agora, com dezenas de amigos e colegas que trabalham em museus.

Entre elas, lembro-me, por exemplo de tric-li-trac, agogô, almotolia, arcabuz, chambaril, cofió, polvorinho, reque-reque, selha, etc. Mas perdi a conta à quantidade de nomes interessantes que damos às coisas. Uns mais eruditos, outros mais óbvios, outros estranhos, os nomes (designações, nome comum, etc.) que damos aos objectos são a forma mais óbvia de encontrar a informação sobre um objecto, ou conjunto de objectos, dentro de um sistema de informação e gestão de colecções. É por isto que é relevante, no momento do seu cadastro, inventário ou catalogação, escolher o nome correcto a atribuir a cada objecto. Não pode ser, não deve ser, assim como noutras categorias de informação, uma escolha leviana, mas em muitos casos é uma escolha que se revela complicada e, em determinados casos, exige a ajuda de especialistas de determinada área científica.

Para melhor exemplificar o que digo, peço-vos uma ajuda, digam-me lá o que chamariam a este objecto?

Imagem de instrumento científico

Alguém sabe? Eu confesso que nem imaginava antes de procurar um exemplo para este texto. Isto é um Sifão de Reiselius, um instrumento científico utilizado em Física, mecânica de fluídos, para ser mais exacto sobre o qual podem saber mais no Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e cuja definição encontram no Thesaurus de Acervos Científicos em Língua Portuguesa. Pesquisei no google (apenas uma referência ao thesaurus e uma outra a um texto do MAST no Rio de Janeiro) e Wikipedia (0 artigos em Português e Inglês) para perceber se encontrava alguma coisa, mas nada!

Como este objecto e nos mais diversos tipos de colecções que possam imaginar, há seguramente um conjunto de objectos que não conseguimos nomear facilmente. Desde objectos originários de culturas distintas, objectos usados em contextos locais, instrumentos de áreas científicas muito específicas, objectos que não são comuns ou que foram comuns em determinadas épocas, mas caíram em desuso, entre outros, são muitos os casos onde a dificuldade em encontrar o nome certo é grande para quem necessita de os inventariar ou catalogar correctamente.

Neste sentido, é imperativo que existam ferramentas como os vocabulários controlados, listas de termos, thesaurus, ao dispor dos museus e dos seus profissionais, através das quais seja possível escolher, entre os diversos termos, o mais apropriado para atribuir o nome (ou outra categoria de informação que deva recorrer a vocabulários controlados) a cada objecto. O Thesaurus de Acervos Científicos em Língua Portuguesa é um excelente exemplo destas ferramentas, mas infelizmente é um dos poucos casos existentes em português que serve os museus da lusofonia (há outros, mas são curtos).

Chego a este tema, porque hoje recebi a notícia que o thesaurus Nomenclature for Museum Cataloging, criado em 1978, por Robert G. Chenhall, está agora disponível como Linked Open Data (LOD) e para download, em Inglês e Francês, por cortesia da Canadian Heritage Information Network (e outros parceiros).

Nomenclature for Museum Cataloging é uma lista estruturada e controlada de termos organizados num sistema de classificação para fornecer uma base de indexação e catalogação de coleções de objetos feitos pelo homem, conforme afirmam no site da norma. É utilizada frequentemente por museus da América do Norte, mas tem sido citada como um excelente exemplo por museus e profissionais em diversos países e contextos.

Na minha opinião, poderia ser um dos muitos e bons thesaurus a traduzir para português ou, pelo menos, a servir de exemplo para criar em Portugal um projecto de criação/adaptação de ferramentas de suporte na área dos vocabulários (e já agora, porque não, de outras normas) que pudesse criar ou adaptar normas existentes na área do património cultural.

Um projecto destes teria, obrigatoriamente, de ter o suporte de uma organização forte na área dos museus. A Rede Portuguesas de Museus seria, evidentemente a minha primeira (única) escolha, se a tivéssemos sabido estimar e engrandecer com o contributo de todos os museus parceiros, mas não existindo a rede, julgo que teria que ser a Direção Geral do Património Cultural a assumir as despesas de um projecto com esta dimensão e complexidade.

Não me parece, a avaliar pelo que se conhece, que a DGPC se aventure a fazê-lo. Mas se o fizesse com todos os museus, de forma estruturada e aberta, seria o primeiro da fila a bater palmas!

Entretanto vou usando as luvas para aquecer as mãos!

Workshop SPECTRUM e ARTIS Being Digital

Workshop SPECTRUM e ARTIS Being Digital

No seguimento do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no SPECTRUM PT estamos a preparar um conjunto de workshops e apresentações da norma SPECTRUM, em parceria com um conjunto de instituições, para faciliar a divulgação e utilização da norma no contexto português e brasileiro. Esta semana, através da Juliana Monteiro, tivemos um desses workshop no Rio de Janeiro no congresso HDRio2018, organizado pela Fundação Getúlio Vargas e, no próximo dia 14 de Maio, eu estarei em Lisboa com os colegas do ARTIS Being Digital para realizar um workshop sobre implementação do SPECTRUM onde utilizarei também o fruto do trabalho do GT-SIM, os Guias Técnicos do SPECTRUM.

Este conjunto de workshops, que iremos levar também a Coimbra e ao Porto com toda a certeza, pretende divulgar a norma SPECTRUM para a gestão de colecções, mas também o trabalho importante realizado no âmbito do GT-SIM da tradução e adaptação dos SPECTRUM Advices, Guias Técnicos para nós, que pretendem ser uma fonte de auxílio para a compreensão da norma e uma ajuda para a sua implementação nos sistemas de documentação e gestão de colecções dos museus em Portugal e Brasil (e esperamos que no futuro para outros países lusófonos).

O workshop é dividido em duas partes, uma mais teórica, sobre a história da norma e do seu desenvolvimento, abordando as questões essenciais da sua estrutura e dos requisitos de informação que impõe e, uma segunda parte, mais prática, onde iremos percorrer alguns dos procedimentos incluídos na norma com o objectivo de ajudar as instituições que a queiram implementar e dar conta da simplicidade que a norma representa para a documentação das colecções. Nesta segunda parte pretendemos também demonstrar, através de alguns exemplos, as razões pelas quais os museus devem considerar a adopção de normas como a SPECTRUM no dia-a-dia da gestão das colecções que guardam.

Toda a informação sobre as inscrições está disponível no site do ARTIS Being Digital, mas deixo abaixo o cartaz de divulgação (versão em PDF aqui) para que possam partilhar junto dos vossos contactos, se assim o entenderem.

Cartaz

Cartaz do Evento

Aproveito, por fim, para dar os meus parabéns ao ARTIS – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL), pela iniciativa de criar um espaço de debate e aprendizagem sobre História da Arte e ferramentas digitais com base nos projectos que o instituto gere e com os quais já tive, felizmente, a oportunidade de colaborar. É uma excelente iniciativa que todos os envolvidos na área devem, na minha opinião, louvar. Eu faço-o, agradecendo à Rosário Salema de Carvalho e ao Prof. Vitor Serrão por terem aceite este meu desafio e concretizado esta iniciativa com um enorme entusiasmo!

Vejo-vos em Lisboa a 14 de Maio?

PS: não percam a primeira sessão que é da responsabilidade da Maria José Almeida! É já no dia 16 deste mês!

CIDOC 2017 – apresentações online

CIDOC 2017 – apresentações online

Não falei antes do CIDOC 2017, em Tbilisi, decorrido em Setembro do ano passado, mas hoje tenho um excelente motivo para voltar à nossa conferência anual e dar-vos a conhecer um pouco da experiência deste ano na Geórgia. O motivo, aliás, o excelente motivo é a partilha das apresentações feitas nas diversas sessões (workshops e sessões convidadas) do extenso programa deste ano, subordinado ao tema “Documentation – Past, Present, Future…”

Uma breve nota sobre o CIDOC 2017

A conferência deste ano permitiu-me ir, pela primeira vez (uma miséria bem sei), a um país que ficava atrás da Cortina de Ferro e vivenciou, de uma outra perspectiva, aquilo que para um jovem adolescente ocidental como eu representava uma espécie de Tratado de Tordesilhas nuclear com ameaças entre duas grandes superpotências (na versão de Hollywood chamadas de Rocky Balboa e Ivan Drago) que nunca se iriam entender. Um mundo distante, felizmente, porque me permitiu conhecer brevemente uma cidade vibrante, com boa comida e bebida, e excelentes pessoas.

Este ano, o tema da conferência procurou explorar o que foi, o que é e para onde caminha a área da documentação em museus. O tema, proposto pelo comité de organização local, à partida parece ser simplista, mas é muito mais desafiador do que pensei. Rever o nosso passado enquanto comunidade, os nossos sucessos e insucessos (principalmente estes), o caminho traçado, os obstáculos, etc. é, em boa medida, algo que todas as instituições ou comunidades deveriam fazer de tempos a tempos. Permite recentrar a energia, alinhar o foco e considerar o presente ao abrigo do que positivo e negativo fizemos. Com essa análise e com os recursos e potencialidades que temos agora, no presente, podemos construir e planear um futuro ainda melhor, com uma resposta mais capaz aos enormes desafios que este sector dos museus tem pela frente.

No CIDOC 2017 revi um conjunto de colegas, de mestres, de parceiros de discussões intermináveis sobre normas e procedimentos e tecnologias, mas também conheci novos colegas, de novas geografias (sim que o ICOM é muito eurocêntrico ainda), com outras perspectivas e desafios. Discutimos entre todos, em sessões sobre terminologias, procedimentos, imagem, gestão do conhecimento, passado da documentação, novos desafios e outras, aquilo que podemos dar à comunidade museológica para que os museus e seus profissionais possam contribuir para uma sociedade melhor. Tivemos o privilégio, nessas sessões de ouvir e conhecer o trabalho de colegas de diversas áreas, com diferentes preocupações e pontos de vista de entre os quais gostaria de destacar, agora que as apresentações estão publicadas, os que me chamaram mais a atenção.

Os meus destaques do CIDOC 2017

Não vou ser muito extenso na análise e esta minha opinião sobre o que melhor se viu no CIDOC 2017 está condicionada às sessões em que participei e assisti (algumas são sessões paralelas), mas convido todos a percorrerem as diferentes apresentações e partilharem as que mais interessantes lhes parecem. A lista está disponível na área das conferências passadas da página do CIDOC no link 2017, Tbilisi.

No topo, até porque não é a minha área de investigação preferida, colocaria as excelentes apresentações feitas pelo Gregg Garcia e pelo Jonathan Ward sobre o programa Getty Vocabularies. Vão desde a revisão e utilização dos conteúdos dos diversos thesauri e vocabulários, passando por um programa de acessibilidade sustentado por uma política de Linked Open Data até à apresentação de exemplos de utilização e iniciativas futuras. Alguns poderão achar densos e muito técnicas as apresentações, mas para quem se interessa por terminologia são essenciais para acompanhar o trabalho de quem lidera internacionalmente esta área da documentação. Podem encontrar as apresentações na SESSION 7 – Getty Vocabularies.

A segunda escolha recai na comunicação do Hassan Ghaseminejad Raieni, do Irão. A apresentação intitula-se Experiences in museum objects documentation with regard to ethical and cultural principles in Iran e explora um tema muito sensível na documentação de museus: a objectividade e as influências do processo de documentação na(s) história(s) que contamos com os objectos. Confesso que além do tema e da forma como foi apresentado, admirei a coragem do Hassan em levar um assunto destes a uma conferência internacional, sendo ele de um país que não é famoso pela abertura à crítica.

Uma terceira escolha vai direitinha para a apresentação do Axel Ermet. Aborda uma norma ISO, uma daquelas coisas com que nós, os maluquinhos das normas, gostamos de nos entreter e que, para quem não é um dos nossos, gostamos de recomendar para utilizar como se de uma bíblia se tratasse. Vejam lá se não vos daria jeito uma norma como esta: (ISO): The vocabulary ISO 5127 as a basic vocabulary for documentation. Define um vocabulário comum para que todos vós, os incrédulos, percebam o que nós, os crentes, queremos dizer com expressões como XML, bases de dados, subsets, modelos conceptuais, etc. Um instrumento de utilização diária sobre o qual escreverei um destes dias.

Um quarto lugar para a apresentação do Reem Weeda sobre o ICONCLASS e a ligação deste, ou melhor, o enriquecimento deste com a ligação a conceitos do AT&T. A apresentação, um pouco técnica mas muito útil, está disponível aqui.

Por último não posso deixar de referir e destacar as apresentações da Natália Jorge, do Fernando Cabral, da Juliana Rodrigues Alves (pesquisem os nomes na página) sobre importantes trabalhos realizados aqui em Portugal na área da documentação do património cultural e, sem falsas modéstias, a apresentação que eu fiz, em representação de uma equipa fabulosa, sobre o contributo do Grupo de Trabalho de Sistemas de Informação em Museus da BAD nos últimos anos em Portugal.

Com este texto pretendo destacar as minhas escolhas, mas quero dizer-vos que se percorrerem as apresentações vão encontrar um conjunto de trabalhos notável e útil para quem é confrontado com os trabalhos de documentação em museus ou em outras instituições culturais. Se quiserem partilhar as vossas preferidas, ou as que lhes parecem mais interessantes, vão à página das apresentações e digam coisas nos comentários a este post.

Boas leituras!

9º Encontro de Utilizadores – Sistemas do Futuro

9º Encontro de Utilizadores – Sistemas do Futuro

A Sistemas do Futuro organiza, de dois em dois anos, o seu Encontro de Utilizadores que tem como principal objectivo dar a conhecer os projectos que desenvolve com e para os seus clientes e parceiros e possibilitar a troca de experiências e conhecimentos com a comunidade museológica e científica na área do património cultural. Desde sempre estes encontros foram gratuitos e, ao longo dos anos, vários profissionais de museus participaram e contribuíram para a extraordinária rede de conhecimento criada à volta das questões da documentação e gestão do património.

Sessão de Abertura do 9º Encontro de Utilizadores

Sessão de Abertura do 9º Encontro de Utilizadores

Este ano o Encontro de Utilizadores, já na sua 9ª edição, foi organizado em parceria com a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e decorreu no auditório desta instituição nos dias 19 e 20 de Maio. O programa foi extenso e contou com várias apresentações interessantes (recordo que a minha opinião poderá ser parcial) de projectos brasileiros e portugueses nas quais é evidente um enorme esforço das instituições para resolver questões práticas na documentação e gestão de um património vasto e riquíssimo.

Não vou, dado que esperamos em breve ter autorização para a publicação dos vídeos das apresentações, elogiar ou focar uma apresentação específica. Todas elas têm pontos muito interessantes, com soluções e problemas, com diferentes abordagens e metodologias, mas importa-me referir um ponto comum a todas elas, a importância dada às normas. Pode parecer-vos uma questão óbvia, tratando-se de documentação, mas não é. Tanto não é que ainda hoje assisto à apresentação de projectos, leio artigos e vejo online alguns produtos de processos de documentação em que a normalização existente é a mesma do que a quantidade de água no deserto de Atacama. É isso que me faz sentir que o caminho, embora longo e difícil, está a ser bem trilhado por muitas instituições com grandes responsabilidades nesta matéria.

Auditório da SEC-SP

Auditório da SEC-SP

Estes dois dias foram também um excelente momento de aprendizagem, de partilha e de construção de boas amizades com muitos colegas brasileiros que, num momento particularmente difícil, trabalham todos os dias em prol da nossa herança cultural tornando-a acessível, física e intelectualmente, à grande comunidade da lusofonia. Para ser um encontro perfeito só faltou a presença de muitos colegas portugueses que costumam marcar presença nestes momentos e dos quais senti(mos) a falta.

Espero ver todos numa próxima oportunidade.

SPECTRUM e CIDOC CRM

SPECTRUM e CIDOC CRM

Na discussão sobre documentação de museus e na construção dos sistemas de informação que a suportam é comum surgir, a determinado momento e principalmente nos colegas menos experimentados nesta área, a questão da enorme profusão de normas existentes (sempre comparando com bibliotecas e arquivos, ainda que de forma errada) para este trabalho específico nos museus. Em algumas conferências do CIDOC tive sempre, directa ou indirectamente, de discutir este assunto com novos colegas e em 2008, em Atenas, fui eu que me interroguei porque é que esta gente tem um apetite voraz pela criação de normas. É realmente um abuso, mas tem explicações lógicas (históricas e científicas) que não vou aqui escalpelizar, mas que denotam a evolução histórica da documentação em museus (e das ciências e técnicas que a coadjuvam) e a importância dada pela comunidade anglo-saxónica a esta matéria, em relação a outras comunidades científicas e profissionais.

Esta profusão de normas, que muitas vezes colidem na procura de solução para o mesmo problema, não é um grande problema para o sector, quando as conhecemos e conhecemos o seu âmbito, mas obriga a mais trabalho na procura da que serve os nossos interesses ou na realização de “mapeamentos” entre duas (ou mais) normas, um trabalho que tem sido feito ao longo dos anos e que pode ser, no caso do CIDOC CRM, consultado com detalhe aqui.

Apesar desta situação há um consenso generalizado, sustentado por anos de prática nos museus e pelos seus profissionais, sobre a relevância do CIDOC CRM (uma norma que procura definir uma estrutura formal e as definições que possibilitam a descrição das relações e conceitos, implícitos e explícitos, na documentação do património cultural) e da SPECTRUM (uma norma que define procedimentos e estrutura de documentação para a gestão das colecções e da sua documentação) para esta área. São duas normas cada vez mais adoptadas e estudadas e têm dado provas da sua fiabilidade através de excelentes resultados na documentação de colecções por elas suportadas. Eu serei suspeito para falar sobre o assunto, mas numa rápida pesquisa por SPECTRUM ou por CIDOC CRM no google permitirá que tirem vocês as conclusões sobre a importância da duas.

Hoje, ou melhor ontem, recebemos a (excelente) notícia da criação de uma extensão para o SPECTRUM no CIDOC CRM através de uma comunicado do CIDOC que pode ser lido na íntrega aqui. Para muitos de vocês o assunto poderá ser aborrecido, mas eu acho que este será um importante marco na história da documentação do património cultural que trará, a breve prazo, enorme benefícios para as colecções, para os profissionais de museus, para os museus e acima de tudo para as audiências/públicos dos museus.

Queria destacar aqui as declarações (que podem ler no comunicado) de Stephen Stead, Dominic Oldman (CIDOC CRM) e Nick Poole (Collections Trust) sobre este importante acordo.

This agreement opens the door for a new focus on the importance of cultural heritage documentation. Many documentation strategies still focus on internal processes and traditional catalogue information, but new digital audiences require a different approach and different types of knowledge generated by museum experts and researchers. Moving to the CIDOC CRM knowledge representation system will provide the SPECTRUM community with a way of connecting museum experts with wider digital audiences and strengthening the relevance of museum knowledge in our society.

Stephen Stead e Dominic Oldman

The agreement between the Collections Trust and the CIDOC CRM SIG represents a major step forward in harnessing the power of technology to open up cultural heritage for new audiences. Building on nearly 20 years of standardisation and professionalization in Collections Management, uniting these two initiatives will help unlock the richness and value in heritage collections for generations to come. I welcome this development and look forward to a successful collaboration.

Nick Poole

Aqui está uma boa notícia e perspectivas de mais trabalho pela frente.

© Imagem: daqui.